BEM-ESTAR

NOVO ARTIGO: Saúde cardiovascular e inteligência emocional em tempos de pandemia

NOVO ARTIGO: Saúde cardiovascular e inteligência emocional em tempos de pandemia
Prof. Dr. Edmo Atique Gabriel - Cardiologista e Cirurgião Cardiovascular

Temos vivenciado a era da cultura disruptiva, que preconiza a inovação, criatividade e maximização de recursos em prol de maior produtividade e eficiência dos processos. Nada disto tem sido viabilizado sem a participação do capital intelectual, da inteligência emocional e da capacidade de motivação das pessoas. 

Em geral, todas estas demandas do mundo moderno convergem para a figura do CEO (Chief Executive Office), aquele profissional que tem o poder decisório, que desembarga as ações, mas que, por outro lado, muitas vezes sucumbe à sobrecarga das tensões e manifesta sua precária saúde cardiovascular.

Ainda que no plano teórico, pouco se admite sobre margem de erros e falibilidade no universo de um CEO, o qual somatiza esta incomensurável responsabilidade, passando a frequentar emergências cardiológicas e a utilizar medicamentos de forma constante e desproporcional a suposta vitalidade de um comandante.

A exacerbação desta angústia que caracteriza a rotina de um CEO, adquire extrema magnitude na vigência de uma pandemia avassaladora como a pandemia do Covid-19, a qual produz redução da produção, descapitalização, desemprego, escassez de insumos e prognóstico sombrio e indeterminado. O mesmo CEO, que já convive com tantas variáveis de difícil equacionamento, agora se depara com o sequestro de todas as suas forças produtivas devido a um ser invisível que simplesmente conseguiu fechar as portas do planeta.

A saúde cardiovascular de um CEO não depende pura e simplesmente de uma prescrição de exercícios físicos e alguns medicamentos. Isto é inevitavelmente muito pouco. As atuais condições do planeta obrigam este CEO a ser mais contundentemente disruptivo, sendo que, para isto, sua função cardiovascular deveria ser proporcionalmente mais plena.

Manter uma alimentação equilibrada, praticar atividades físicas e manter o sono noturno estável são medidas mínimas para que o CEO possa suplantar as dificuldades rotineiras e convencionais. Em época de pandemia do Covid-19, na qual as preocupações se insinuam cada vez mais intensas e a instabilidade para cumprimento de metas cada vez maior, tais medidas mínimas figuram como medidas míseras e redundantes.

 Do ponto de vista de uma saúde cardiovascular plena em tempos de pandemia, o CEO deveria aprimorar sua inteligência emocional e capacidade de tolerabilidade. Somente assim ele será capaz de mitigar a somatização das tensões e a manifestação de sintomas cardiovasculares, tais como palpitações, dor precordial, falta de ar e tontura.

O CEO precisaria estabelecer um algoritmo de condutas, um novo “modus operandi”, ainda que no modelo de trabalho Home Office, que se coadune com um padrão de inteligência emocional adequado. Para este propósito, hábitos saudáveis de vida são fundamentais, mas não são suficientes.

Tomar decisões de forma mais ponderada, sedimentar melhor os argumentos, desenvolver o hábito de refletir mais e dar o tempo necessário para que os elementos do conflito se apresentem com clareza - eis alguns dos fatores insubstituíveis para um CEO que busca manter sua saúde cardiovascular plena e também um padrão constante de inteligência emocional nos negócios.

A indeterminação dos fatos inerentes a pandemia do Covid-19 talvez seja a maior ameaça para a saúde cardiovascular de um CEO. Contudo, grandes oportunidades derivam de situações catastróficas. Dessa forma, o CEO deveria reunir forças suficientes, podendo contar inclusive com auxílio médico e psicológico, para manter-se firme no tocante a preservação da sua saúde cardiovascular e consolidação de um padrão estável de inteligência emocional. Somente assim será possível o enfrentamento de um momento único como esta pandemia do Covid-19, sem a ocorrência de repercussões cardiovasculares deletérias.

www.coracaomoderno.com.br

Prof. Dr. Edmo Atique Gabriel 

Cardiologista e Cirurgião Cardiovascular

Professor Livre–Docente

CRM 105226


+ Sintonia

O coração de George Floyd era igual ao coração de seu assassino

Quando nascemos, nosso coração apresenta uma quantidade imensa de batimentos cardíacos. Durante ausculta do tórax de um recém-nascido, nos deparamos com uma frequência cardía...

Leia +

A circulação sanguínea em tempos de Covid

Em tempos de pandemia, um assunto que tem despontado e amedrontado todas as pessoas é o índice elevado de tromboses. E aqui já cabe uma primeira observação - as tromb...

Leia +

Por que o coração é mais frágil após os 60 anos?

O coração humano pode apresentar alterações de estrutura, forma e função após a sexta década de vida. Os fatores genéticos ou o histórico familiar, num primeiro...

Leia +

SINTONIA COM A MARA – O mundo envelhece. Precisamos rejuvenescer conceitos.

A humanidade está envelhecendo. O número de pessoas com 60 anos, ou mais, é crescente no mundo todo. No Brasil, o estigma sobre o envelhecimento, ainda, existe...

Leia +

NOVO ARTIGO - O ritmo cardíaco e os marcapassos

Antes da discussão acerca dos dispositivos eletromagnéticos denominados marcapassos cardíacos artificiais, é mister salientar que o coração humano é dotado de um sistema e...

Leia +